A Federação Israelita do Estado de São Paulo repudiou um manifesto assinado pelo PSOL que condena a participação do consulado na 22ª Parada de Orgulho LGBT, realizado no último domingo, 3.

A Federação Israelita do Estado de São Paulo, representante da comunidade judaica paulista, registra seu repudio aos manifestos assinados pelo Coletivo LGBT PRISMA e Setorial LGBT do PSOL/SP, além de outras entidades buscando, de forma preconceituosa, deslegitimar a participação do Consulado Geral de Israel na 22ª Parada do Orgulho LGBT, realizada no último domingo, em São Paulo.

Lamentável que em um evento onde se prega a diversidade e o respeito à livre manifestação, se pretenda excluir a única democracia do Oriente Médio que aceita e respeita os grupos LGBT que ali convivem de maneira harmoniosa. Os mesmos que protestam contra a participação do Estado de Israel defendem países que, não apenas proíbem qualquer manifestação LGBT, como torturam e condenam à morte seus adeptos e simpatizantes.

A Parada do Orgulho LGBT tem como objetivo primordial conferir legitimidade e respeito à comunidade LGBT, respeitando a diversidade de gêneros e a opção pessoal de cada indivíduo. Aproveitar o evento para manifestações antissionistas, que nada mais são do que o mais puro antissemitismo, atesta nosso constante alerta contra aqueles que querem a qualquer custo demonizar o Estado de Israel.

Registramos nosso agradecimento aos demais organizadores da 22ª Parada do Orgulho LGBT e aos que apoiaram a participação de Israel que, tal qual a FISESP, condenaram veementemente as manifestações de caráter preconceituoso.” diz a nota em sua íntegra.

O consulado israelense convidou um grupo para participar do evento ao som de um DJ do país.

Repúdio do PSOL ao povo de Israel

“É inadmissível um evento que diz celebrar o amor, a igualdade e a diversidade aceite o apoio e a presença de um estado racista que vem invadindo as terras e massacrando todo um povo há 70 anos”, diz a nota do partido.

Em seu perfil no Facebook, o vereador do PSOL pelo Rio de Janeiro, David Miranda, publicou a nota do partido contra o povo de Israel.

É interessante notar que Israel é o único país do Oriente Médio a permitir a realização de Parada Gay. Por outro lado, o mundo muçulmano enxerga com ódio tal minoria.


05/06/2018