24/10/2017

O Mapa da  Desigualdade da cidade de São Paulo divulgado nesta terça-feira (24) revela extremos da capital como por exemplo o salário médio do morador de Marsilac, que hoje é de R$ 1.287,32 enquanto no Campo Belo a remuneração média é de R$ 10.079,98. O estudo foi realizado pela Rede Nossa São Paulo.

Favelas. O levantamento revela ainda que a região com a maior concentração de favelas está na Vila Andrade, na zona sul. Lá, 50% dos domicílios estão em favela. Pinheiros, na zona oeste, é a região com o menor número de moradias em favelas, correspondem a 0,081% dos domicílios do distrito. Onze distritos da capital registraram zero moradias em favelas, são eles: Alto de Pinheiros, Perdizes, Jardim Paulista, Consolação, República, Santa Cecília, Bela Vista, Bom Retiro, Brás, Cambuci e Moema.

Desigualtômetro, índice criado pela Rede Nossa São Paulo para medir a desigualdade entre regiões da capital, indica 621x a diferença na contração de favelas na capital.

Homicídios. O índice de homicídio no distrito do Brás é alarmante, são 38,76 homicídios por 100 mil habitantes. O distrito que menos registra óbitos por homicídio é a vizinha Moóca, com apenas 1,2 homicídio por 100 mil habitantes. Os distritos que registraram zero homicídio é Vila Guilherme, na zona norte, Barra Funda e Perdizes, na zona oeste, e Moema, na zona sul.

Mortes no trânsito. O distrito da Consolação é o único que não registrou mortes causadas por acidente de trânsito. Pari, na zona norte, foi o que mais registrou fatalidades no trânsito, com 16,37 mortes por 100 mil habitantes. Vila Leopoldina, na zona oeste, registrou 2,13 mortes por 100 mil.

Consolação não registrou nenhuma morte causada por acidente de trânsito.

Arborização viária. Neste indicador, a região de Santo Amaro é a que concentra maior quantidade de árvores no viário público, com 16.192 árvores. No distrito da Sé, o número é bem inferior, apenas 518 árvores no viário público, o pior distrito em arborização.

No geral, 34 distritos da capital aparecem com os piores resultados em ao menos 15 indicadores avaliados. O pior é o Brás, aparecendo 23 vezes com os piores números. Confira a tabela abaixo: