20/10/2017

Refletir sobre a transformação da floresta brasileira, passando pela exuberância das árvores de grande porte até o desaparecimento de espécies, é o objetivo da mostra Remanescentes da Mata Atlântica & Acervo MCB, com curadoria do botânico Ricardo Cardim, que será inaugurada no Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, no dia 8 de outubro, domingo, às 14h. A abertura contará com food trucks no jardim do Museu.

Além de apresentar ao público uma visão acerca do processo de avanço das áreas urbanas sobre a mata atlântica original, a exposição trará, em paralelo, peças do acervo do museu elaboradas com essas madeiras – hoje praticamente extintas.

“Mais do que falar do processo que levou à quase extinção de algumas espécies, queremos recuperar esse ‘DNA histórico’ de cada árvore representada em nosso acervo”, explica Giancarlo Latorraca, diretor técnico do MCB.

A mostra Remanescentes da Mata Atlântica & Acervo MCB consiste em painéis fotográficos e textuais que correlacionam as várias tipologias de madeiras do acervo do MCB às diversas espécies nativas existentes na mata atlântica, algumas centenárias, e que, ao longo da história, foram utilizadas na confecção do mobiliário nacional e até mesmo estrangeiro. Com muitas delas desaparecidas ou em processo de extinção, o acervo do museu se torna um testemunho acessível.

Na exposição, será dada aos visitantes a oportunidade de conhecer um pouco da exuberância primitiva da vegetação brasileira, com árvores de grande porte, muitas com mais de 40 metros de altura, que aos poucos foram desaparecendo e dando espaço para a criação de gado, agricultura e também para a exploração da madeira para indústria e comércio. Entre as madeiras que compõem o mobiliário do acervo do MCB, é possível encontrar Jequitibá Rosa, Cedro e Jacarandá da Bahia.

“O acervo do Museu da Casa Brasileira representa parte de uma floresta ancestral desaparecida há cerca de um século. Suas madeiras são testemunhos de árvores seculares de jequitibás, canelas e jacarandás que têm aqui a última existência na forma do mobiliário da coleção”, afirma Ricardo Cardim, botânico e curador da mostra.

“Por ser uma instituição que preserva a cultura material da casa brasileira, em grande parte formada por mobiliário construído com madeiras brasileiras nativas, o jardim e suas espécies arbóreas representadas no acervo são um trunfo importantíssimo nas ações educacionais, pois proporcionam a reflexão sobre o largo uso dessa matéria prima e as consequências que levaram ao fim de muitas espécies que, hoje, só podem ser encontradas na forma de produto, ou seja, o mobiliário”, completa a diretora geral do MCB, Miriam Lerner.

Serviço:
Abertura da exposição Remanescentes da Mata Atlântica & Acervo MCB
Av. Brg. Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano
Dia 8 de outubro, domingo, às 14h00
Alimentação: food trucks no local
Sonorização: CUBQ
Entrada Gratuita

VISITAÇÃO
De terça a domingo, das 10h às 18h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos | Pessoas com deficiência e seu acompanhante pagam meia-entrada
Gratuito aos finais de semana e feriados
Acessibilidade no local
Bicicletário com 40 vagas | Estacionamento pago no local

Visitas orientadas: (11) 3026.3913 | agendamento@mcb.org.br | www.mcb.org.br